Michael Douglas inveja.

Cada dia as pessoas estão mais revoltadas com a falta de respeito ao consumidor e exigindo das empresas uma atitude no mínimo séria ou quem sabe até honesta.

Mas normalmente a nossa revolta se resume em ficar horas penduradas no telefone, ouvindo uma música que não existe opção de escolha e esperar a boa vontade de algum atendente que com toda certeza vai repassar a ligação para outro e assim por diante. O ultimo atendente é sempre o que mais sofre, é sempre aquele que escuta o que a sua educação, calma e gentileza não permitiram dizer ao primeiro. E em muitos casos mesmo ouvindo toda verdade sobre a mãe, ele ainda não resolve o problema.

Acredito que o promotor de eventos Adriano Matias passou por essa situação e diferente de muitos não fez parte do grupo comodismo e ainda conseguiu dar ênfase (que eufemismo podre) na profissão. Pois tenho certeza que ele nunca vai promover evento melhor que esse.

Na tarde de quarta-feira, dia 15 de outubro ele resolveu procurar uma forma alternativa (outro) de receber no mínimo atenção para o seu problema. Já que dessa forma talvez ele não encontrasse a solução.

O evento protesto foi destruir uma geladeira que já havia sido comprada algum tempo e depois de muitas trocas, consertos e sessões de descarrego ainda apresentava problema.

Adriano pagou o frete, foi até a loja onde fez a compra e que seguia a regra que todos nós conhecemos: já pagou? então não temos mais interesse pelo senhor e com golpes de picareta destruiu a geladeira.
Com direito a chutes e deixar o produto destruído, em plena calçada, sendo assim rodeado por pessoas que passavam no centro de Vitória.

Diante disso tudo, o gerente da loja disse que não poderia fazer nada pelo consumidor, já que a garantia estava vencida (esse cara não tem amor a vida, mesmo vendo o cliente usar uma picareta na geladeira, deu essa resposta).Logo após saber do ocorrido o fabricante da geladeira decidiu trocar (trocar o que restou?) por um novo produto, do mesmo modelo.

Agora que já sabemos que esse tipo de evento protesto funciona, só precisamos de uma informação: Qual era o fabricante da geladeira?

Carol

Gaúcha, dona do Garota Nerds. Indignada com boa parte do que vê, ouve e consequentemente, sente.

  • Marcelo

    cara ele e muito loco mas nao e assim que resolve nao
    apessa que nao tiro a rasão dele pois os cara nao ajuda ninguém mesmo
    ^^

  • bassplayervix

    Apesar de morar na minúscularoçalitorâneacomamelhorqualidadedevidadobrasil chamada Vitória (no ES, não é Vitória da Conquista/BA), desconhecida do Jornal Nacional e outros, eu não ouvi as marretadas lá do meu trabalho. rs
    Mas tenho uma informação para você, acredite, era uma Brastemp, quando me falaram não acreditei também.
    A mídia ficou preocupada em divulgar até o fabricante da picareta que ele usou e esqueceram o da geladeira.

  • Marcelo, a rasão é impossível você tirar e no seu caso o único “cara” que pode ajudar é Deus.

  • Hector

    É certo que essa foi a única forma do consumidor obter o reparo do prejuízo sofrido. Penso que, mais necessário do que saber qual o fabricante, seria saber a empresa que a vendeu. Ter um zé ruela daquele naipe como gerente é inaceitável. Ou ele, o gerente, reflete a política da loja?

  • capixbão

    que eu me lembro foi em frente à Casa e Vídeo.

  • Alexandre

    A marca da geladeira é DAKO, tenho uma igual, que ainda nao apresentou nenhum problema. Mas, se acontecer, ja sei oq fazer. Hehehehe