O Falecimento do P2P

A forma mais comum de troca de arquivo parece estar morrendo. Em 2007 o sistema de troca de dados peer-to-peer (P2P) representava 40% do tráfego, e segundo estudo realizado pela Arbor Networks, este número caiu para 18%.
“Globalmente o PSP está caindo e caindo rápido”, disse Craig Labovitz, cientista chefe na Arbor Networks.

p2pnetNapster, Kazaa e  LimeWire são apenas alguns dos softwares que utilizam (utilizavam) a tecnologia. Durante anos foram softwares como esses que sustentaram a troca de arquivos online.
Muito questionado no que se refere a pirataria, o sistema P2P parece estar fadado a morrer. Não porque o governo Francês quer, nem tampouco pelo desejo de qualquer gravadora ou artista. O que está ocasionando a queda na utilização do P2P é o aumento do tráfego via navegador. É o aumento do streaming e do uso de sites para downloads.

Mas hein?

Explico, ou melhor, o estudo citado acima explica! A popularização do streaming (que permite visualizar e/ou ouvir um arquivo online sem fazer download), ou seja, YouTube (mais famoso) e a utilização de sites de download como o RapidShare e o MegaUpload estão crescendo e contribuindo diretamente com a queda do P2P.

Para que o senhor iria gastar tempo baixando aqueles 400 mil arquivos que juntando dariam um episódio do seu seriado favorito para no final das contas descobrir que o arquivo 273 está corrompido ou que é um baita cavalo de tróia, se você pode assistir a esse episódio online ou mesmo fazer o download de maneira bem mais simples através de sites como os citados acima?

O crescimento é espantoso. O tráfego via navegador em 2007 possuia uma representatividade de 10% do total de tráfego na internet. Hoje representa mais de 50%!

A Arbor Networks analisou dados de mais de 110 provedores de internet e mais de 3.000 routers. Um total de 264 hexabites de tráfego analisado (1 hexabites é +- 1bilhão de GB).

Como disse anteriormente, a decadência do P2P não é em decorrência do governo da França e nem a pedido de gravadoras. Não é em decorrência da pirataria  ou o que eles chamam de pirataria. Na verdade, conforme o andar das coisas, o governo francês gastou dinheiro de seu povo e tempo de seus legisladores atoa e quem for seguir o exemplo dele também gastará, visto que a lei francesa é focada praticamente em P2P.

Concorda com o estudo? O que acha?

Li isso aqui e aqui.

Vitor Finatto

Um cara chato e ranzinza, natural de Toledo (PR). Morou em Goiânia durante 10 anos e hoje vive nos EUA.